Comportamento revelador

Quanto mais observamos a vida, suas dificuldades e o que acontece conosco nos dias presentes, mais compenetrados ficamos e ainda mais agradecidos a Deus e a Jesus por nos ter permitido encontrar nesta encarnação a Doutrina Espírita. Cremos que este deve ser o sentimento de todo espírita sincero: profunda gratidão a Deus por esse conhecimento, lembrando que o Espírito de Verdade nos orienta: “Espíritas, amai-vos, este o primeiro ensinamento; instruí-vos, eis o segundo”. O amor deve estar sempre em primeiro lugar.

Amor nas atitudes, no comportamento, nos relacionamentos sociais, amor que vai adentrando a criatura e felicitando-a quanto mais vivenciado ele seja. Instrução, que asserena e favorece a resignação, mesmo nas horas mais difíceis. Para o observador atento, muitas vezes no caminho aparecem fatos que nos levam a pensar no conhecimento espírita.

Um desses fatos ocorreu estes dias. Uma senhora que estava acompanhando uma criança, uma menina de cerca de um ano e oito meses. Uma menina saudável, aparentemente sem problemas, risonha. A avó que a acompanhava, no meio da conversa nos disse que ninguém podia descuidar um instante da menina. Não se podia deixar nenhuma corda no chão, nenhum cordão, nenhum fio; tinham que ficar atentos a isso o tempo todo. “Se ela pegar qualquer uma dessas coisas, ela enrola no pescoço e vai apertando, um perigo!” Perguntamos à avó se ela, mesmo novinha, já havia presenciado alguma cena como essa na televisão, e ela assegurou que nunca. “Ninguém entende”, disse a avó. “Não podemos facilitar. Ela dá duas, três voltas, ou até a corda acabar e puxa, aperta, tem que ser vigiada…” Graças ao conhecimento da reencarnação, nós ficamos pensando… O que teria acontecido no passado? Aquele Espírito poderia ter vivenciado isso antes? Ou ter visto enforcamentos, ou ter sido responsável por isso ou ter passado por isso?

Somente a reencarnação pode explicar essa atitude. Alguma lembrança que traz consigo, algo que o tempo apagará ou revelará mais tarde pelas possíveis provas que lhe surgirão no caminho… Se observássemos mais as crianças de modo sereno, sem induzi-las a nada, mas prestando atenção em suas atitudes espontâneas, veríamos sinais frequentes que nos fariam cogitar de existências passadas.

O comportamento que trazem dão-nos grande ideia do que vivenciaram, do que aprenderam. Lembramos Santo Agostinho que, no capítulo XIV de “O Evangelho segundo o Espiritismo”, ensina: “Desde o berço, a criança manifesta os instintos bons ou maus que traz de sua existência anterior; é a estudá-los que é preciso se aplicar; todos os males têm seu princípio no egoísmo e no orgulho; espreitai, pois, os menores sinais que revelem os germes desses vícios, e empenhai-vos em combatê-los, sem esperar que lancem raízes profundas…” Temos observado muitas crianças, vemos suas dificuldades, o Espírito imortal que está reencarnado precisando de auxílio, de educação, de limites, de muito amor. Pelo comportamento se nos revela o tipo de Espírito que está à nossa frente. Cuidemos, pois, de amar muito, de nos auto-educarmos e de ajudar aqueles que renascem.

Nada de ficar pensando que os que estão nascendo são muito evoluídos, vieram para ensinar… Estamos em momentos difíceis do planeta… Observemos. Usemos a instrução. Aqueles que vieram para ensinar sobressaem na humildade, no amor, na bondade. Revelam esses traços. Observemos desde o berço, como diz Santo Agostinho, e teremos uma ideia. Aqueles que são dóceis, brandos, pacíficos e amorosos, se revelam desde bebê… Mas, neste mundo, com exceção dos missionários do amor, ainda temos imperfeições a vencer.

Aquele que já aprendeu a amar, a dividir, mostrará isso desde a infância. Será alguém calmo, não vive agitado, dorme serenamente. Quando começa a conseguir realizar os movimentos, já levanta os bracinhos e acaricia o rosto da mãe, do pai, dos que estão à sua volta. Um pouco maior e já abraça, beija, não tem comportamentos agressivos. Maiorzinho, já divide os brinquedos, é calmo na escola, porque já aprendeu isso antes. Compete aos pais estimular isso, observar defeitos que possam surgir e ir corrigindo-os.

O Espírito mais agressivo também se mostra desde cedo. Ao ser contrariado, bate no rosto da mãe, dá mordidas, mostra a expressão de raiva, dá muito trabalho, e muitas vezes mostra sua ansiedade e sua inquietação, vive em grande agitação, falta-lhe serenidade. Observemos, analisemos, meditemos. Espíritos em grandes dificuldades estão reencarnando sempre, assim como também Espíritos amorosos ou trabalhadores do Cristo que descem à Terra, a fim de auxiliar. Seu comportamento os revela. Essa criança que a avó nos trouxe, aparentemente é alegre, mas sua atitude mostra uma história de dor.

JANE MARTINS VILELA
Cambé, PR (Brasil)

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s