Sessões mediúnicas de Lincoln na Casa Branca

A cinebiografia de um dos mais notórios presidentes americanos surge justamente neste ano, quando se comemoram os 150 anos em que ele assinou o documento histórico, a proclamação da emancipação, tratado que deu início à emenda proibindo a escravidão nos Estados Unidos. Abraham_Lincoln_November_1863Lincoln, aliás, também nasceu em fevereiro: 12/02/1809. E, no espiritismo, vários autores já declinaram capítulos de livros, artigos e comentários sobre a realização das sessões mediúnicas que ele realizava na Casa Branca, informação que o roteiro do filme não considerou.

O escritor Herminio C. Miranda, em seu livro O que é fenômeno mediúnico (Correio Fraterno) conta detalhes destes episódios em “De como os Estados Unidos continuaram unidos”. Segundo o autor, a realidade das faculdades mediúnicas ainda é ignorada por muitos. “Lamentável que não haja uma [médium] Nettie Colburn Maynard para cada presidente, rei ou rainha neste mundo. O problema é que precisaríamos ter também um presidente Lincoln em cada um destes postos de comando político-social, com grandeza suficiente e humildade bastante para ouvir com atenção e senso crítico a palavra franca, positiva e sábia de um espírito desencarnado de alto grau evolutivo. Não para ditar ordens, mas para trocar ideias e expor alternativas”. Ele conta que, aconselhado pelos espíritos, Lincoln preservou a integridade de seu país e apressou a libertação dos negros. “O fenômeno mediúnico foi, é e continuará sendo o instrumento, o veículo dessa realidade que teima apresentar-se aos olhos da humanidade, que por sua vez teima obstinadamente em ignorá-la”, analisa. “Essa é a grande tragédia da história moderna”, afirma Herminio nesta interessante obra que traz outros episódios marcantes da história geral, permeados por orientações espirituais. Confira abaixo, nas palavras de Herminio, como isso se deu, afinal, com o presidente Abraham Lincoln.

positivamente, que o grande presidente Abraham Lincoln recorreu com certa frequência aos conselhos de seus amigos espirituais, especialmente pela mediunidade de Nettie Colburn Maynard, que narra, ela própria, como as coisas aconteceram(1). Segundo esse depoimento, não há dúvida de que as sessões realizadas na Casa Branca e em outros locais exerceram decisiva influência em eventos do maior relevo na história dos Estados Unidos. Significativamente, um dos capítulos do livro chama-se We make History, isto é, Fazemos história, precisamente o que relata um dos mais importantes episódios daquele conturbado período de definições da nacionalidade americana. A desgastante Guerra da Secessão arrastava-se penosamente, com pesadas perdas de vidas e as tropas do governo, que combatiam pela preservação dos ideais de unidade e liberdade do presidente Lincoln, já se mostravam pouco dispostas a continuar a luta. Tudo indicava que o país acabaria mesmo dividido, pois os sulistas lutavam pela separação.

Os espíritos fizeram um diagnóstico objetivo e nada otimista, pois a situação era de fato muito precária, ao assumir o general Hooker o comando das operações. – O exército está completamente desmoralizado – disse o espírito incorporado em Nettie –, os regimentos estão ensarilhando as armas, recusando-se a obedecer às ordens ou cumprir o dever. Ameaçam uma retirada geral, com declarado propósito de voltarem para Washington. Lincoln, que ouvia atentamente, concordou com o diagnóstico e comentou: – Você parece bem informado da situação. Poderia indicar o remédio? – Sim – disse o espírito, firme –, se você tiver a coragem de usá-lo. Lincoln sorriu e comentou com simplicidade: – Experimente-me. O espírito indicou a única solução ainda possível, a seu ver.

O presidente deveria ir imediatamente ao front visitar os soldados. Não como figura distante, com todo o aparato do cargo, cercado de ministros e generais, apenas para passar revista às tropas, mas com o mínimo possível de gente, levando sua família. Deveria caminhar entre os soldados, conversar com eles, saber de suas queixas e dificuldades. – Mostre-se tal qual é às dificuldades que eles enfrentam na marcha através dos pantanais, onde, tanto em coragem como em número, eles têm sido desfalcados. A providência era tão urgente no entender do espírito que Lincoln deveria mandar anunciar imediatamente sua decisão de ir, enquanto preparava a viagem, que demoraria alguns dias. Ao cabo de uma longa exposição, o presidente disse uma só frase: – Isso será feito. A conversa continuou, porém, abordando outros aspectos. O presidente e o espírito manifestado em Nettie discutiram assuntos de relevo que somente aos dois interessavam e, naturalmente, à nação americana que ensaiava seus primeiros passos como a grande potência mundial que seria dentro de algum tempo.

Lincoln fez a viagem sugerida pelo seu amigo espiritual e a sorte da guerra mudou prontamente porque, agora sim, os soldados que lutavam pelos seus ideais estavam motivados. Com muitos deles o presidente falara pessoalmente. Deixara de ser o vago e desconhecido figurão político que, de Washington, mandava ordens. Assim, graças a uma sessão mediúnica, os Estados Unidos continuaram unidos. Sem Nettie Colburn Maynard provavelmente teríamos hoje dois países ali, em lugar de um só. E mais: foi também em atenção a uma mensagem mediúnica de seus amigos espirituais que o presidente resolveu promulgar a famosa Proclamação da Emancipação que acabava com a escravatura no país, contrariando interesses mesquinhos de muitos, mas promovendo os interesses da lei divina na Terra. Dizem mesmo que até na redação final desse documento histórico colaboraram pessoalmente os espíritos.

Lincoln empenhou praticamente sua vida nessa lei. Era uma das suas mais importantes tarefas, depois de manter a unidade política, geográfica e social da grande nação que lhe fora confiada pelo voto popular. Parece, aliás, que o mundo espiritual tinha planos importantes acerca dos Estados Unidos, pois foi ali, em Hydesville, em 1847, que se deslanchou como que ‘oficialmente’ a fenomenologia mediúnica moderna, servindo de médiuns as meninas da família Fox. Pelo menos sob o governo de Lincoln, portanto, importantíssimas decisões foram tomadas depois de sugeridas ou discutidas com seus amigos desencarnados.

Linconl sonho dream clarividenc

Até a morte do presidente lhe foi revelada num sonho. Sonhou ele, certa noite, que pesava sobre a Casa Branca uma atmosfera de tristeza e luto. Procurando saber o que se passava, chegou a um dos salões onde estava exposto um caixão de defunto guardado por vários soldados. O presidente, em sonho, aproximou-se de um deles e perguntou: – Quem é o morto? – É o presidente – disse-lhe o soldado. Foi assassinado. Era o recado vindo através do mecanismo do sonho, para que ele estivesse de sobreaviso, não para impedir que a tragédia se consumasse, mas para que seu destino se cumprisse, como se cumpriu. Dentre as muitas “coincidências” entre episódios da vida de Lincoln e a de John F. Kennedy, podemos acrescentar mais este – a do aviso da morte súbita. No caso de Kennedy o veículo foi a sra. Jane Dixon, que com bastante antecedência foi informada mediunicamente da tragédia de Dallas, que ela via como uma nuvem negra como que pousada sobre a Casa Branca. Por intermédio de amigos comuns, ela tentou avisar ao presidente Kennedy, mas tal como no caso de Lincoln, bem como no de Júlio César, havia uma fatalidade a ser cumprida.

1- Nettie Colburn Maynard, Was Abraham Lincoln a spiritualist? (Foi Abraham Lincoln um espiritualista?) Ed. Spiritualist Press, Londres/Inglaterra. Texto extraído do site correio fraterno.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s